Ementas das Cadeiras Obrigatórias


PRIMEIRO SEMESTRE



1- Teoria Política dos Estudos Estratégicos I 

Ementa.
 Estudos Estratégicos e a Teoria Política. Poder e Estado. Os primórdios da reflexão sobre a História e a Guerra: Tucídides (circa 460 /455 a.C. / circa 400 a.C.). Origens do pensamento político moderno e a nova arte da guerra segundo Maquiavel (1469 / 1527). Jean Bodin (1530 / 1596) e a soberania moderna. Hobbes (1588 / 1679), o Estado, a defesa e segurança. O liberalismo de John Locke (1632/1704) e o direito à insurgência. A economia liberal de Adam Smith (1723/1790) e a questão da defesa do Estado. Alexander Hamilton (1755 ou 1757 / 1804) e a constituição da defesa do Estado liberal. Friedrich List (1789 / 1846) e os fundamentos econômicos do Poder Militar. Rousseau (1712/1778), a natureza da insegurança internacional, a desigualdade entre os estados e as origens da guerra. Kant (1724 / 1804) e a “paz perpétua” e a negação da guerra.

Bibliografia

BOBBIO, Norberto. Estado, Governo, Sociedade: para uma Teoria Geral da Política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. 
CARNOY, Martin. Estado e Teoria política. Campinas, Papirus, 1988.
FIGUEIREDO, Eurico de Lima. “Os Estudos Estratégicos, a Defesa Nacional e a Segurança Internacional” in Lessa, Renato (organizador) Horizontes das Ciências Sociais, a Ciência Política, Petrópolis, Vozes, 2010.
HOBBES, Thomas (organizador: TUCK, Richard). Leviatã ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil, São Paulo, Martins Fontes, 2008.
LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. Cap. 1 a 9. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
KAPLAN, Marcos. Formação do Estado Nacional na América Latina. São Paulo: Ed. Eldorado, 1987. (Introdução).  
KEEGAN, John. Uma História da Guerra. São Paulo, Companhia das Letras, 2000. 
KNUTSEN, Torbjorn L. A History of International Relations Theory. Manchester & New York, Manchester University Press, 1992. (NB: diversos trechos que serão prévia e devidamente identificados pelo professor encarregado da disciplina).
MAQUIAVEL: A Arte da Guerra. Brasília, Editora da Universidade de Brasília, 1982 (2ª edição).
PARET, Peter Construtores da Estratégia Moderna (primeiro volume), Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército Editora, 2001.
TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Brasília, Editora da UnB, 1987.

2- Metodologia de Pesquisa em Estudos Estratégicos

Ementa:
 conceitos em Ciências Sociais e dificuldades de mensuração; Estudos Estratégicos e escolha racional; causalidade; aspectos gerais da pesquisa empírica; o desenho de pesquisa; seleção de casos; política comparada; análise histórica comparada; aspectos gerais do debate qualitativo vs quantitativo; questões metodológicas contemporâneas em Estudos Estratégicos.

Bibliografia:

ALLISON, Graham T. Essence of Decision. Explaining the Cuban Missile Crisis. Boston: Little, Brown and Company, 1971.
BIDDLE, Stephen. "The Past as Prologue: Assesing Theories of Future Warfare." Security Studies 8.1 (1998): 1-74.
BRADY, H.e D. Collier. Rethinking Social Inquiry: Diverse Tools, Shared Standards. Oxford: Rowman & Littlefield, 2004.
GEDDES, B. Paradigms and Sandcastles: Theory Building and Research Design in Comparative Politics. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2003.
GELLNER, Daniel e J.David Singer. Nations at War: A Scientific Study of International Conflict. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.
GEORGE, A.L. e A. Bennett. Case Studies and Theory in the Social Sciences. MIT Press, 2004.
JACOBSEN, John Kurt. "Are All Politics Domestic? Perspectives on the Integration of Comparative Politics and International Relations Theories." Comparative Politcs 29.1 (1996).
KING, G., R. Keohane e S. Verba. Designing Social Research. Princeton: Princeton University Press, 1994.
LANDMAN, T. Issues and Methods in Comparative Politics: An Introduction. London: Routhledge, 2003.
LIBERSON, Stanley. Making It Count: The Improvement of Social Research and Theory.
University of California Press.
LIMA, Maria Regina Soares de. "Teses Equivocadas Sobre a Ordem Mundial Pós-Guerra Fria." 
Dados 39.3 (1996).
MAHONEY, J. e D. Rueschemeyer. Comparative Historical Analysis in the Social Sciences. Cambridge: Cambridge Universtity Press, 2003.
MUNCK, Geraldo e Jay Verkuilen. "Conceptualizing and Measuring Democracy. Evaluating Alternative Indices."Comparative Politcal Studies 35.1 (2002): 05-34.
NEUMAN, W. Basics of Social Research: Qualitative and Quantitative Approaches. Boston: Allyn & Bacon, 2004.
PIERSON, P. Politics in Time. Princeton: Princeton University Press, 2004.
ROSEN, Stephen Peter. Winning the Next War: Innovation and the Modern Military. Cornell Studies in Security Affairs. Eds. Robert Art, Robert Jervis and Stephen Walt. Ithaca: Cornell University Press, 1991.
SIGMUND, Paul. "Aproaches to the Study of the Military in Latin America." Comparative Politcs 26.1 (1993).
TILLY, Charles. Big Structures Large Processes Huge Comparisons. New York: Russel Sage Foundation, 1984.
WALT, Stephen. "The Renaissance of Security Studies." International Studies Quarterly 35.2 (1991): 211-39.
_________. "Rigor or Rigor Mortis? Rational Choice and Security Studies." International Security 23.4 (1999): 5-48.
WALTZ, Kenneth. "Evaluating Theories." The American Political Science Review 91.4 (1997): 913-17.

3- Teoria e Análise de Relações Internacionais da Defesa e da Segurança I

EmentaRelações Internacionais, segurança e defesa. Percepções da guerra e da paz. O Estado, a política nacional e a política internacional. Aparelho militar, ciência e tecnologia. A industria e o comércio de armas: as relações “centro” e “periferia”. As chamadas “novas ameaças”: terrorismo, narcotráfico, crime organizado, tráfico de armas, degradação ambiental, migrações ilegais etc. Os organismos internacionais e a segurança coletiva. Hegemonia e movimentos anti-sistêmicos.

Bibliografia:

ARON, Raymond – Paz e Guerra entre as Nações. Brasília, Ed. Unb/IPRI, 2001.
ARRIGHI, Giovanni – O Longo Século XX, Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Editora UNESP, 1996.
BAYLYS, John; Wirtz, James; COHEN, Elliot; GRAY, Colin S. – Strategy in the Contemporary World (An Introduction to Strategy Studies), Oxford, Oxford University Press, 2002.
BRAILARD, Philippe – Teoria das Relações Internacionais. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1990.
CARR, Edward H. – Vinte anos de crise: 1919-1939. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1981.
CLAUSEWITZ, Claus von – Da Guerra, São Paulo, Martins Fontes, 2003 (2a edição, 2a tiragem).
CREVELD, Martin von – Technology and War: from 2000 bC to Patton. Cambridge, Cambridge University Press, 1987.
DREIFUSS, René – A Época das Perplexidades (Mundialização, Globalização e Planetarização: Novos Desafios), Petrópolis: Vozes, 1997.
GUIMARÃES, Samuel Pinheiro – Desafios Brasileiros em uma Era de Gigantes. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.
HOBSBAWN, Eric – A Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
LÊNIN, Vladimir – Imperialismo, Etapa Superior do Capitalismo, IS n. II – várias edições.
KEEGAN, John – Uma história da guerra, trad. Pedro Maia Soares.
São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
KNUTSEN, Torbiom I. – History of International Relations Theory. Manchester, Manchester University Press, 1992.
PINTO, J. R. de Almeida; ROCHA, A. J. Ramalho da; R. Doring da (organizadores) – O Brasil no Cenário Internacional de Defesa e Segurança. Brasília, Ministério da Defesa, Secretaria de Estudos e de Cooperação, 2004.
PROENÇA JÚNIOR, Domício e DINIZ, Eugênio – Política de Defesa no Brasil: uma Análise Crítica, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1998.
PONTES, João e MESSARI, Nizar. Teoria das Relações Internacionais: Correntes e Debates. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
ROCHA, Antônio Jorge Ramalho Relações Internacionais: Teorias e Agendas. Brasília, Funag/Ibri, 2002.
SANTOS, Theotônio (organizador) – Hegemonia e Contra-hegemonia: Globalização, Dimensões e Alternativas, Rio de Janeiro, Ed. PUC/São Paulo, Edições Loyola, 2004. 4 volumes.
SARAIVA, José Flávio Sombra (organizador) – Relações Internacionais: Dois Séculos de História (Entre a preponderância européia e a emergência americano/ soviética, 1815/1947). Brasília, IBRI, 2001. Vol. I.
_________ – Relações Internacionais; Dois Séculos de História (Entre a Ordem Bipolar e o Policentrismo, de 1947 a nossos dias). Brasília, IBRI, 2001. Vol. II.
WALTZ, K. – O Homem, O Estado e a Guerra. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2004.

SEGUNDO SEMESTRE

 


4- Teoria Política dos Estudos Estratégicos II.

Ementa.
A Guerra nos tempos contemporâneos: Clausewitz. Marx (1818/1883), o Estado burguês e as forças armadas. As origens do Estado em Engels (1820/1895) e a formação dos aparelhos militares. Lênin (1870 / 1924) e a Revolução. Os militares como “elite”: os neomaquiavélicos (Pareto (1848 / 1923); Mosca (1858 / 1941) e Michels (1876 / 1936)). Wright Mills (1916 / 1962), os militares e a “elite do poder” nos Estados Unidos. Teoria política das relações entre civis e militares: Huntigton (1927 / 2008). O Estado na sociedade capitalista e os militares: Miliband (1924 / 1994). Aron (1925 / 1983), a paz e a guerra entre as nações. Teoria política sobre o Estado e a Guerra: Waltz (1924 /).

Bibliografia

ARON, Raymond - Paz e Guerra entre as Nações, Brasília, Ed. Unb/IPRI, 2001. 
BOTTOMORE, T. B. As elites e a sociedade. Rio de Janeiro, Zahar, 1974. 
CLAUSEWITZ, Carl Von. Da Guerra. São Paulo, Martins Fontes; 1979, (estudo introdutório de Anatole Rappoport).
FIGUEIREDO, Eurico de Lima. “Globalização, Neoliberalismo e a Estratégia do Poder: os Jogos não Estão Feitos”, in SANTOS, Teothonio dos (coordenação) Os Impasses da Globalização (Hegemonia e Contra-Hegemonia), Volume II, Rio de Janeiro, PUC/REGGEN / Edições Loyola, 2004.
KNUTSEN, Torbjorn L. A History of International Relations Theory. Manchester & New York, Manchester University Press, 1992. 
HUNTINGTON, Samuel P. O Soldado e o Estado: teoria política das relações entre civis e militares. Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército, 1996.
LÊNIN, V.I. Estado e Revolução. São Paulo, Global, 1987.
KEEGAN, John. Uma História da Guerra. São Paulo, Companhia das Letras, 2000.
TILLY, Charles. Coerção, Capital e Estados Europeus. São Paulo, EDUSP, 1996.
MARX, Karl. “Guerra civil em França”, inMarx e Engels: Obras escolhidas. Várias edições.  
MICHELS, Robert. Sociologia dos partidos políticos. Brasília, UNB, 1982. 
MILIBAND, Ralph. O Estado na sociedade capitalista. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1972.
MILLS, Carl. Wright. A elite do poder. Rio de Janeiro, Zahar, 4ª edição, 1981. 
MOSCA, Gaetano. La clase política. México, Fondo de Cultura Económica, 1992,.
PARET, Peter Construtores da Estratégia Moderna (segundo volumes), Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército Editora, 2001. 
PARETO, Vilfredo. "Os resíduos". In Pareto. Coleção Grandes Cientistas Sociais, São Paulo, Ática, 1984..
_________. "As derivações". In Pareto. Coleção Grandes Cientistas Sociais, São Paulo, Ática, 1984.
POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais. Rio de Janeiro, Martins Fontes, 1986. 
SWEEZY, Paul M. “Elite do poder ou classe dominante?” InEnsaios sobre o capitalismo e o socialismo.
WALTZ, Kenneth. O Homem, o Estado e a Guerra: Uma Análise Teórica. São Paulo, Martins Fontes. (2004). 

5- Estudos Estratégicos: Elementos de Teoria e Análise

Ementa
 Definições e classificações próprias à disciplina. Teóricos clássicos e modernos. Conceitos instrumentais básicos: dissuasão, coerção e controle. A guerra, a paz e os Estudos Estratégicos. A estratégia no mundo de hoje: guerra convencional, armas nucleares, guerra irregular e terrorismo.

Bibliografia

BAYLYS, John; Wirtz, James; Cohen, Elliot; Gray, Colin S. - Strategy in the Contemporary World (An Introduction to Strategic Studies), Oxford, Oxford University Press, 2002.
CENTENO, Miguel Angel. Blood and Debt: War and the Nation-State in Latin America.
University Park, Pennsylvania: Penn State Press, 2002
CLAUSEWITZ, Claus von - Da Guerra, São Paulo, Martins Fontes, 2003 (2ª edição, 2ª tiragem).
COHEN, Eliot A.. Comando Supremo.Rio de Janeiro: Bibliex, 2004.
FLORES, Mário César. Reflexões Estratégicas: repensando a defesa nacional. São Paulo: É Realizações, 2002. 
FREEDMAN, Lawrence. Deterrence. Cambridge, Polity, 2004.
GRAY, S. Murray. Strategic Studies: A Critical Assesment London, Aldwych, 1982.
KEEGAN, John. Uma História da Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
LUTTWAK, Edward N. Estratégia - A Lógica da Guerra e da Paz. Rio de Janeiro: Bibliex, 2009.
O’CONNEL, Robert L. História da Guerra: Armas e Homens, Lisboa, Teorema, 1979.
PARET, Peter (org.) Construtores da Estratégia Moderna – Tomos 1 e 2. Rio de Janeiro: Bibliex, 2001 e 2003.

6- Teoria e Análise de Relações Internacionais da Defesa e da Segurança II

Ementa
: O Brasil no cenário Internacional de defesa e segurançaO Continente dentro de outro continente: o Brasil na América do Sul. Política nacional e internacional: descompassos e sintonias. Brasil, EE.UU. O Mercosul e a ALCA e as implicações na segurança e defesa. Política de defesa, segurança e desenvolvimento: Da Política Externa Desenvolvimentista à Política externa Independente (1951-1964). Segurança e Desenvolvimento no Regime militar: Brasil Potência (1964/1979). Abertura política, resistência democrática e a crise do Projeto do Brasil (1979/1990). Longo intervalo: o País em busca de um projeto na sociedade internacionalizada. Forças Armadas e a política externa brasileira.

Bibliografia:

AYOOD, Mohammed. The Third World Security Predicament: State Making, Regional Conflict, and the International System. Boulder: Lynne Rienner, 1995.
BROWN, M. E.. Theories of War and Peace. MIT Press, 1998.
BROWN, M.; COTÉ Jr., Owen R.; LYNN-JONES, Sean M. & MILLER, Steven. (Eds.). Going Nuclear: Nuclear Proliferation and International Security in the 21st Century. MIT Press, 2006.
BOUTHOUL, Gaston. La Guerre. 5 edição. Paris, Presses Universitaires de France, 1973.
BUZAN, B. & WÆVER. Regions and Powers: The Structure of International Security, Cambridge University Press, 2004.
CAMPOS, Íris Walkiria -“Defesa Nacional” in Figueiredo Jr, José de Lima e Lamounier, Bolívar (ors.) A Era FHC, São Paulo, Cultura Editores Associados, 2002.
CASTRO, Celso (org). Amazonia e Defesa Nacional, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006. 
COSTA, Darc “O Brasil Diante dos Desafios Internacionais de Segurança e Defesa”, Mimeo, 2003.
_________- Brasil: Defesa do Estado, Rio de Janeiro, Cebres, 1996.
CHOSSUDOVSKY, Michel. Guerra e Globalização – Antes e depois do 11 de setembro. Sao Paulo. Expressão Popular, 2004.
DAGUZAN, Jean-François, e LOROT, Pascal. Guerre et Économie. Paris, Ellipses, 2003.
DOISE, Jean ; VAÏSSE, Maurice, Diplomatie e outil militaire 1871-1969, Paris, Imprimerie Nationale, 1987.
DOMINGUEZ, J. Seguridad internacional, paz y democracia en el Cono Sur, Santiago, Flacso-Chile, 1988.
DUPAS, Gilberto- O Brasil e as Novas Dimensões da Segurança Internacional. São Paulo, Alfa-ômega, 1999.
FLORES, Mário César- Reflexões Estratégicas- Repensando a Defesa Nacional, São Paulo, Editora É Realizações, 2002.
GUIMARÃES, Samuel Pinheiro (org.) Quinhentos Anos de Periferia. Porto Alegre/Rio de Janeiro, Ed. UFRJ/Contraponto,1999.
_________– Desafios Brasileiros em uma Era de Gigantes. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.
JONES, Clive Jones & KENNEDY-PIPES, C. (Eds). International Security in a Global Age: Security the Twenty-First Century. Cass, 2000.
MATHIAS, Suzeley Kalil e ALVES, Samuel Soares. Novas Ameaças: dimensões e perspectivas – Desafios para a cooperação em defesa entre Brasil e Argentina, São Paulo, Sicurezza, 2003.
PINTO, Almeida J.R. de et. Alli (orgs.) - Reflexões sobre Defesa e Segurança: uma Estratégia para o Brasil, Brasília, Secretaria de Estudos e de Cooperação, Ministério da Defesa, 2004. Volume 1.
_________– O Brasil no Cenário Internacional de Defesa e Segurança, Brasília, Secretaria de Estudos e de Cooperação, Ministério da Defesa, 2004. Volume 2.
PROENÇA JÚNIOR, Domício e DINIZ, Eugênio – Política de Defesa no Brasil: uma Análise Crítica, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1998.
ROJAS ARAVENA, Francisco (org). Argentina, Brasil y Chile: integración u seguridad, Santiago, Flacso-Chile, 1999.
ROUQUIE, Alain, L’État Militaire em Amérique Latine, Paris, Seuil, 1981.
SHEEHAN, M.. International Security: An Analytical Survey.
Boulder: Lynne Rienner, 2005.
VIZENTINI, Paulo Fagundes – Relações Internacionais do Brasil, -De Vargas a Lula, São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.


TERCEIRO SEMESTRE


7) Seminário de Dissertação


Ementa: Apresentação e debate sobre os projetos de pesquisa dos mestrandos visando a elaboração da Dissertação.


8) Orientação de Dissertação I

Ementa: Trabalhos supervisionados pelo orientador objetivando a apresentação e defesa da Dissertação de Mestrado.


QUARTO SEMESTRE


9) Orientação de Dissertação II


Ementa: Trabalhos supervisionados pelo orientador objetivando a apresentação e defesa da Dissertação de Mestrado.


ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR 

Ementa: Presença obrigatória nas atividades complementares do Programa (conferências, ciclos de palestras, seminários, etc) ao longo do mestrado.

Editor-Chefe: Prof.Eurico de Lima Figueiredo
Editor-Executivo: Prof. Eduardo Heleno
Copyright © 2012 Portal do INEST.
Todos os direitos reservados.Site elaborado pela equipe WebPortais/NTI e INEST